CHOY LEE FUT KUNG FU

Introdução

O sistema Choy Lee Fut de Kung Fu, é hoje um dos mais conhecidos e praticados a nível mundial. A sua popularidade deve-se ao facto de ser um sistema estruturado nas suas bases, com uma história documentada, um código moral e um amplo leque de opções técnicas, desde a própria arte de luta, ao estudo e desenvolvimento do sistema energético (Chi Kung).

 

Com origens no século XIX, na sua génese esteve o conhecimento desenvolvido por monges dentro dos muros dos secretos templos de Shaolin (Honan e Fukien) de onde herdou toda a tradição Budista. Fundado por Chan Heung em 1836 (oficialmente) e transmitido no seio da família Chan, foi sendo aperfeiçoado pelas gerações seguintes, chegando aos nossos dias pela mão da 5ª geração, representada pelo grande mestre Chen Yong Fa, actual “Guardião” do sistema na linha directa do fundador.

 

Hoje, a popularidade não se resume tão somente à arte de luta, mas também ao fantástico sistema de trabalho energético, mais conhecido como Shaolin Lohan Chi Kung (Trabalho da Energia de Buda da Jovem Floresta),  alusão às origens monásticas deste subsistema. Desde o Minho ao Algarve, são hoje centenas os praticantes, interessados e entusiastas das duas vertentes da modalidade, instruídos por monitores e professores qualificados, formados segundo a mais pura tradição marcial, e enquadrados por organismos reguladores, conforme prevê a lei de bases do sistema desportivo.

 

O  Choy Lee Fut é um sistema de combate eclético, um misto de variadas influências de sistemas do norte e sul da China, e os níveis de progressão de aprendizagem dos conteúdos técnicos e teóricos, encontram-se escalonados (à semelhança das escolas tradicionais de Kung Fu) em três níveis: principiante, intermédio e avançado. Toda a arte de luta está distribuída por estes níveis, porém, o sistema vai muito mais além de um sofisticado método de combate. Inclui na sua estrutura, o trabalho dos três tesouros – Chi, Jing e Shén – através de exercícios e formas específicas codificadas (sistema Lohan Chi Kung); a Dança do Leão, Dragão e Unicórnio; a aprendizagem de aspectos da Medicina Tradicional Chinesa; a arte de cura com ervas e processos tradicionais auxiliares, e de uma forma mais esotérica e poética, feitiços e encantos.

 

Breve história do Choy Lee Fut

O Choy Lee Fut é um dos sistemas tradicionais de Kung Fu em que o percurso histórico pode ser traçado até ás suas origens de forma precisa e documentada, através de registos históricos, conservados no seio da família Chan durante gerações. Diz a lenda, que Chan Heung, chegando à região de Guanzhou e vindo de terras estrangeiras por onde tinha viajado nos últimos anos, deparou com o desaparecimento do seu mestre, o monge Choy Fook, pelo que, como redenção pelo facto de não o poder ver ainda com vida, se dedicou a documentar por escrito todos os conhecimentos adquiridos, para que fossem transmitidos às gerações seguintes de forma precisa e segura.

Estes registos, Kuen Po, foram sendo transmitidos de geração em geração, até aos dias de hoje, pelo que consultando os mesmos e os registos das perfeituras, onde se pode ver documentação sobre as personalidades mais influentes, pode-se traçar com precisão, os aspectos mais determinantes da história do Choy Lee Fut, que corrobora a versão contada pelo mestre Chen Yon Fa, transmitidas a si pelo seu e pelo seu avô, Chan Yiu Chi, tendo este último escutado as mesmas palavras do seu avô, o fundador do sistema, Chan Heung.

 

Chan Heung começou a praticar as artes marciais pela mão do seu tio Chan Yuen Wu, que dando-se conta da sua habilidade natural, lhe ensinou tudo o que sabia. Ainda jovem e a pedido do seu tio, fundou uma escola em Sun Wei, uma cidade perto de perto de King Mui, a sua aldeia natal. Com o aumento da sua reputação de forma virtiginosa, num curto espaço de tempo reuniu um número considerável de alunos, tornando-se um dos mais conhecidos instructores de Kung fu da região.

 

Lee Yau Shan, praticante de sistemas de Shaolin, instalou-se na região e rapidamente chegou aos ouvidos de Chan Heung a habilidade impressionante daquele instructor. Chan Heung, querendo comprovar a veracidade do que se dizia, esperou-o à saída de um restaurante, e com um ataque traiçoeiro, procurou projectar Lee Yau Shan, que com uma contra técnica, não só anulou a ofensiva de Chan Heung, como o projectou. Apercebendo-se da superioridade do seu oponente, imediatamente lhe pediu desculpas pelo ataque traiçoeiro e também que o aceitasse como discípulo. Lee Yau Shan, sentindo a veracidade do pedido, aceitou-o como discípulo e em cinco anos ensinou-lhe tudo o que sabia.

 

Um dia ouviram falar de um monge recluso que vivia nas montanhas Law Fou, conhecido pela sua habilidade na medicina chinesa. O seu nome era Choy Fook, conhecido como um dos seis monges sobreviventes do mosteiro Shaolin de Fukien. Movidos pela curiosidade, Chan Heung e Lee Yau Shan decidiram visitar o monge, e depois de breves minutos com este, rapidamente se deram conta da superior habilidade do monge pelo que Chan Heung não quis perder a oportunidade de desenvolver as suas habilidades para um patamar superior, pelo que, pondo-se de joelhos, implorou a Choy Fook que o aceitasse como discípulo. Aceite discípulo, Chan Heung passaria a viver com o monge como estudante residente e a aprender com ele as artes de Shaolin. O trabalho árduo, a dedicação, a habilidade natural e a aprendizagem com um monge de conhecimentos superiores, levaram a que Chan Heung terminasse os seus estudos em 10 anos.

 

Concluído o seu ensino, Choy Fook ofereceu um banquete de despedida em homenagem ao seu discípulo, contando-lhe as suas origens e as origens do sistema que lhe ensinou, desenvolvido através de conhecimentos preservados por gerações intermináveis de monges guerreiros, e que ele deveria preservar também e transmitir às gerações futuras, para que estas tradições se mantivessem vivas e resistissem no tempo. Chan Heung despediu-se de Choy Fook e regressou á sua aldeia natal, abrindo uma clínica para tratar e ajudar os doentes, que chamaria de Wing Sing Tong. Posteriormente, e a pedido dos anciões da família, abriria uma escola de Kung Fu no pátio ancestral e que denominaria de Hung Sing Gwoon. Seria então que condensaria os conhecimentos adquiridos e chamaria ao seu sistema de Choy Lee Fut, em homenagem aos seus mestres.

 

Chan Heung espalharia a sua arte por toda a parte, mas seria o seu filho mais velho, Chan Kon Pak quem receberia todos os conhecimentos, e que os transmitiria também a seu filho Chan Yiu Chi e este por sua vez ao seu filho Chan Wan Hon. Seria assim Chen Yon Fa a receber deste último, seu pai, os conhecimentos e manuscritos da família, tornando-se no actual guardião do sistema da 5ª geração da família Chan.

 

Perfil mestre Chen Yon Fa
Viv

O mestre Chen Yon Fa nasceu em Guangzhou (Cantão), China, em 1951, sendo um descendente direto da 5ª geração do fundador do sistema, Chan Heung Gong. Aos 4 anos começou o treino nas artes de luta da sua família sob a direção do seu avô Chan Yiu Chi e do seu pai Chan Wan Hon. É considerado Jeung Mun Yan (Guardião do Sistema), o que significa que, sendo o primogénito dentro da sua família (família Chan) cabe-lhe a ele receber os manuscritos ancestrais e o título de Guardião do Sistema, com vista a preservar e transmitir o mesmo a futuras gerações. Além de ser um destacado artista marcial, exerce a medicina tradicional chinesa, certificado pelo colégio de KwanTung, sendo a sua especialidade ossos e tendões.

 

Vive atualmente na Austrália desde 1983 e é aí que que exerce as suas actividades de forma profissional, guiando os destinos das suas escolas de Kung Fu e Chi Kung (Qi Gong) espalhadas um pouco por todo o mundo. Visita com regularidade a Europa, onde leciona estágios e classes privadas sendo os mestres Rolando Martins e Nelson Barroso seus discípulos à Porta Fechada.

 

Sobre a arte de luta

Uma das características do Choy Lee Fut é a sua grande variedade e quantidade de formas e métodos de treino. Chan Heung, diz-se, passou mais de 20 anos a reunir e a aperfeiçoar as suas habilidades antes de sintetizá-las num sistema coerente. De acordo com os registos guardados no arquivo familiar dos Chan, existem 190 formas registadas. Mesmo que para um atleta treinado seja virtualmente impossível aprender e memorizar todo o conjunto de formas deste sistema, a ideia é precisamente a especialização depois da aprendizagem, e domínio das formas básicas (formas do nível I), com a escolha das mais adequadas à própria morfologia.

 

No entanto, para impedir que todo este manancial de conhecimentos desaparecesse de uma geração para outra, Chan Heung e os seus descendentes registaram cada umas das 190 formas num Kuen Po “Manual de Trabalho de Punhos”, numa descrição detalhada e exaustiva, que dá a cada movimento um nome e número, orientação espacial, descrição técnica, movimento corporal, trabalho de pernas e algumas aplicações.

 

Toda esta quantidade de formas e métodos de treino são enquadradas por um conjunto de teorias e conceitos, indispensáveis à compreensão do sistema no seu todo e necessários à percepção da essência do mesmo.

 

Assim, e já no 1º nível de aprendizagem (com uma duração aproximada de 5 anos), vários conceitos são determinantes no processo de evolução do praticante, sendo de referir que “Cintura, Cavalos e Ombros,” (Yiu Ma Bo) e “Mãos Pa Kwa” (Pa Kwa Sou), sejam nesta fase os mais relevantes.  O primeiro está directamente relacionado com a essência dos próprios movimentos, e a sua correcta interpretação permite a percepção imediata dos conceitos subsequentes,  fluidez e circularidade, que determinam a potência final dos movimentos (potência explosiva). O segundo conceito, relaciona directamente o movimento e a sua organização espacial com a percepção do timing exacto e distância precisa, utilizando para isso, as diferentes orientações e trajectórias das diferentes técnicas entretanto assimiladas. Neste nível, o primeiro tipo de técnicas são conhecidas como Oi Lem Sou ou “mãos externas longas”, reflectindo o género de execução que se pretende, ou seja, técnicas de alcance longo e circular, que juntamente com o trabalho dos “cavalos” (Ma), permite ao praticante de Choy Lee Fut rentabilizar toda a potência gerada por estes, em estreita ligação com a cintura (Yiu) e ombros (Bo), numa efectiva unidade de “todo o corpo num só movimento”.

 

As formas de punho características deste nível, permitem expressar e desenvolver os conceitos acima descritos, cada uma delas com características e técnicas específicas:

  • Ng Lum Ma (Cavalo de Cinco Rodas)
  • Ng Lum Choi (Punho de Cinco Rodas)
  • Siu Moi Fa Kuen (Pequeno Punho da Flor de Ameixoeira)
  • Siu Sup Dji Kuen (Punho Pequena Cruz)
  • Sup Dji Jit Fu Kuen (Bloco Tigre em Cruz)
  • Peng Kuen (Punho Nivelado)
  • Peng Jang Kuen (Cotovelo Nivelado)
  • Tet Ji Cheung Kuen (Longa Flecha de Ferro)
  • Kung Ji Fook Fu Kuen (Subjugando o Tigre)
  • Sup Ji Kou Da Kuen (Lutando com o Tigre em Forma de Cruz)

 

Neste nível,  o praticante desenvolve 2 das 4 categorias de luta: Ti (ataques de perna) e Da (ataques de mão) – as outras duas, Shuai (projectar) e Na (agarrar, imobilizar), fazem parte do nível seguinte –  estando estas técnicas incluídas nas formas tradicionais (Kuen, Taolu), acima descritas e em exercícios específicos de trabalho a dois.

 

No nível seguinte (nível II), a aprendizagem prossegue com os 18 Bonecos Madeira de Shaolin, o estudo aprofundado das mais variadas armas e com a introdução ao sistema Lohan de Chi Kung. O praticante é iniciado nas mãos internas “Noi Lem Sou”, conhecidas também por técnicas de “2ª e 3ª porta”, caracterizadas pela sua curta execução e trajectória, constituídas entre outras, por joelhadas e cotoveladas. Desenvolve neste nível as 2 categorias complementares de luta: Shuai (projectar) e Na (agarrar, imobilizar), com a aprendizagem de um conjunto de técnicas características do sistema e incluídas nas formas deste nível:

  • Sze Mourn Kiu Jo Sarng Ma (Ponte de 4 Portas, Correr o Cavalo Vivo)
  • Sup Baat Lohan Kuen (18 Mãos de Buda)
  • Jor Yol Dan Keuk Kuen (Simples Perna Alternando Esquerda e Direita)
  • Oi Lem Bic Da Soy Sou Ying Yang Kung Kuen (Exercícios Curtos Yin Yang para Luta Curta Rompe Mãos)
  • Dai Pa Kwa Kuen (Punho Longo Pa Kwa)
  • Siu Pa Kwa Kuen (Punho Curto Pa Kwa)
  • Moi Fa Pa Kwa Kuen (Punho Pa Kwa Flor de Ameixoeira)
  • Dat Ting Pa Kwa Kuen (Punho Pa Kwa Harmonia)
  • Yee Jong Pa Kwa Kuen (Punho Pa Kwa Rectidão Forte)
  • Hun Yun Pa Kwa Kuen (Punho Pa Kwa Homem Urso)
  • Dou Fu Pa Kwa Kuen (Lutando Contra o Tigre em Punho Pa Kwa)
  • Ng yin Pa Kwa Kuen (Cinco Animais Pa Kwa)
  • Pa Kwa Sum Kuen (Coração de Pa Kwa)

 

No nível I, a execução das formas é caracterizada por uma direcção linear, por vezes em cruz. Já no nível II, o treino Pa Kwa permite o trabalho nas “8 Direcções” e nos “3 Planos” (superior, médio e inferior), que quando combinados, possibilita uma grande variedade técnica e alternância de ângulos e direcções. As “10 Sementes” e as “18 Palavras”, consolidam os conhecimentos práticos até então adquiridos, permitindo que, através de palavras chaves, o praticante possa aplicar, a qualquer momento, a técnica mais adequada.

 

O nível III já só é acessível aos alunos mais antigos e de confiança, que deverão efectuar a cerimónia Bi-Si, para se tornarem discípulos, iniciando assim a aprendizagem nos aspectos mais profundos e pouco conhecidos do Choy Lee Fut. O ensino nesta fase é feito à “porta fechada”, sendo os praticantes denominados de “discípulos de câmara interna”.