Leitai (擂台) traduz-se aproximadamente como plataforma de luta, uma estrutura quadrada elevada sem cordas ou estruturas laterais, onde se assistiam na antiguidade a desafios à morte com ou sem armas e onde actualmente se desenrolam combates desportivos enquadrados por regulamentos restritos. Esta estrutura está ligada às artes marciais chinesas, e como todas as coisas, desde as suas origens até à actualidade passou por um processo evolutivo que permitiu que hoje se tenha tornado num desporto moderno e seguro, regulamentado por instituições e federações que promovem a prática destas lutas.

As origens desta plataforma e das lutas que nela se realizavam remontam à China antiga, com inúmeras variações, onde frequentemente se realizavam combates assistidos por um “árbitro” e o vencedor era encontrado até que não houvesse mais ninguém capaz de vencer quem por último no Leitai permanecesse. Lutadores perdiam se ficassem incapacitados, fossem projectados para fora da plataforma ou simplesmente morriam em cima da mesma como consequência de golpes fatais, principalmente se eram duelos privados, não sancionados pelas autoridades. As razões para a luta poderiam ser várias, desde disputas privadas, testar as habilidades pessoais ou simplesmente provar a superioridade do sistema. O vencedor ganharia fama e prestígio, e o seu método dominaria a área com as consequências financeiras que daqui advinham.

Muitas vezes o próprio interessado em promover a sua invecibilidade ou a do seu sistema, montava o seu próprio Leitai e desafiava a que o derrotassem. Normalmente seria considerado invencível se conseguisse manter-se invicto durante uma série de dias e tivesse derrotado mais de uma ou duas centenas de lutadores. São famosos os relatos de vários mestres conhecidos, que se tronaram invencíveis, sendo um deles Chen Zhao Pi (陈照丕, 1893–1972), mestre de Chen Taijiquan e sobrinho do conhecido mestre Chen Fake, que montou o seu próprio Leitai em Beijing (Pekín) tendo derrotado mais de 200 lutadores durante 17 dias, permanecendo invencível e contribuindo para a enorme popularidade do Taijiquan.

Tudo mudaria a partir de 1928, conforme já vimos, com o posterior estabelecimento de regras que protegessem a integridade física dos lutadores, não perminto que destes encontros resultassem danos severos ou morte. Deste percurso histórico e baseado na estruturação moderna das artes marciais chinesas, surgiria o Sanda, uma vertente regulamentada e simplificada do Sanshou, entretanto criado pelos militares chineses.