História do Sanda

Razões de ordem política e organização desportiva estão na génese desta metodologia de combate, que surge da necessidade do Kuomitang, por volta de 1924, de dotar as suas tropas e elites de um método eficaz de combate real e defesa pessoal, à semelhança do amigos soviéticos, que por esta altura já tinha um método conhecido pela sua eficácia, o Sambo (criado no início do século XX e baseado no Jiu-Jisu Japonês e sistemas de Wresteling populares da Ásia central).

Em colaboração com instrutores soviéticos e alguns conhecidos mestres de sistemas tradicionais de Wushu, desenvolveu-se na Academia Militar Whampoa na região de Gangzhou (Cantão) uma profunda investigação dos mais eficazes sistemas de luta chinesa e dos então recentes métodos de desenvolvimento desportivo, acabando por originar um currículo estruturado e organizado, que permitiu instruir militares e não-militares na luta corpo a corpo a mão vazia de uma forma objectiva e rápida. Este método foi essencialmente baseado nas técnicas clássicas de pernas e punhos dos sistemas tradicionais de Wushu, nos diferentes sistemas de Shuaijiao (métodos de projectar semelhante ao Judo) e nos distintos métodos de Chin-Na (agarres e imbolizações) que normalmente completa os mais importantes estilos de Kung Fu. Esta nova abordagem sintética do combate corpo a corpo acabaria por ser amplamente adoptada pelas elites militares como método de combate por excelência.

Uma versão desportiva enquadrada por normas específicas acabaria por surgir posteriormente, como consequência da necessidade de dois atletas se medirem minimizando a possibilidade de saírem lesionados do confronto. Este tipo de confrontos há muito se praticava de forma pública em cima de uma plataforma elevada, com um conjunto de regras mínimas que muitas vezes levavam à morte de um dos participantes. Tornaram-se famosas algumas competições ao longo da história, muitas delas patrocinadas pelo próprio Imperador. Em 1928 o Instituto Central de Guoshu (estabelecido pelo Kuomitang na cidade de Nanjing e que juntamente com a Associação Atlética Jingwu formaram os dois principais institutos na promoção das artes marciais tradicionais chinesas), organizou uma competição nacional na cidade de Beijing assistida por proeminentes figuras militares. Nesta competição, assistida por mais de 400 inscritos dos mais variados sistemas e regiões de toda a China, resultria um facto curioso que levantaria sérias questões sobre a segurança dos competidores. Como resultado das precárias regras estabelecidas para a competição, dois lutadores acabariam por morrer tendo como resultado imediato a alteração das regras vigentes para qua tal não voltasse a acontecer.

Surgiria assim uma preocupação com a segurança dos atletas em competição, acabando por originar décadas mais tarde e após os conturbados períodos da história recente da China, um novo método desportivo de combate, este já com um conjunto de regras estabelecido: o Sanda, a vertente desportiva e simplificada do Sanshou. Esta nova metodologia seria então adoptada pela instituições como novo método de competição, permitindo que dois atletas se confrontassem em cima de uma plataforma denominada Leitai, sem cordas e com uma zona de segurança com colchões em toda a volta.

Mai tarde a International Wushu Federation adoptaria este método de competição como a vertente competitiva de combate do Wushu moderno, um complemento da vocação mais artística e acrobática, o Taolu (equivalente às Katas japonesas).